E a greve José???

Li este post por indicação do blog professor Cavalcante no blog do Cientista Político Edir Veiga e resolvi publicá-lo na integra.

Greve na Seduc: Caciques partidários desautorizam acordos de lideranças sindicais
Em 27 de maio, às 19:00h, o Sintepp fechou um protocolo com o governo, representado pela SEPOF, em que havia 16 pontos divergentes e em apenas um não houve acordo. Sob esse protocolo, a maioria do sindicato (APS e PT) defenderiam o fim da greve.

CST, PSTU, ARS, MES e uma parcela (pequena) do PT defenderiam o fim da greve.

Essa configuração permitiria o fim da greve por 70% dos votos na assembleia.

O que não estava nos planos era que os minoritários da APS iriam pedir arrego à direção. O candidato a governador, Fernando Carneiro, e o ex-prefeito Edmilson Rodrigues centralizaram a fração da APS no SINTEPP e na assembléia dos professores o protocolo de intenções foi rompido.

A maioria do SINTEPP, ao perceber assembleia foi interrompida sob a alegação de que estavam votando pelo fim greve: DAS (?) e temporários (?). A nova sessão será terça-feira (1º).

E agora? como os interlocutores da Seduc e do governo poderão confiar no que a direção sindical se compromete na mesa de negociações. Parece que o sindicato continua no papel de correia de transmissão dos partidos...revolucionários.